terça-feira, 19 de outubro de 2010

Tênis x Frescobol




Depois de muito meditar sobre o assunto concluí que os casamentos são de dois tipos: há os casamentos do tipo tênis e há os casamentos do tipo frescobol.
Os casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Os casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.
Explico-me.
Para começar, uma afirmação de Nietzsche, com a qual concordo inteiramente. Dizia ele: ‘Ao pensar sobre a possibilidade do casamento cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: ‘Você crê que seria capaz de conversar com prazer com esta pessoa até a sua velhice?\' Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar.’
Xerazade sabia disso. Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte, como no filme O império dos sentidos.
Por isso, quando o sexo já estava morto na cama, e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava uma longa conversa, conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites.
O sultão se calava e escutava as suas palavras como se fossem música.
A música dos sons ou da palavra - é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer.
Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras.
E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: ‘Eu te amo, eu te amo...’ Barthes advertia: ‘Passada a primeira confissão, ‘eu te amo\' não quer dizer mais nada.’
É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética.
Recordo a sabedoria de Adélia Prado: ‘Erótica é a alma.’O tênis é um jogo feroz. O seu objetivo é derrotar o adversário. E a sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola. Joga-se tênis para fazer o outro errar.
O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário, e é justamente para aí que ele vai dirigir a sua cortada - palavra muito sugestiva, que indica o seu objetivo sádico, que é o de cortar, interromper, derrotar.
O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado fora de jogo. Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.
O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca. Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la. Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado. Aqui ou os dois ganham ou ninguém ganha. E ninguém fica feliz quando o outro erra - pois o que se deseja é que ninguém erre. O erro de um, no frescobol, é como ejaculação precoce: um acidente lamentável que não deveria ter acontecido, pois o gostoso mesmo é aquele ir e vir, ir e vir, ir e vir... E o que errou pede desculpas; e o que provocou o erro se sente culpado. Mas não tem importância: começa-se de novo este delicioso jogo em que ninguém marca pontos...
A bola: são as nossas fantasias, irrealidades, sonhos sob a forma de palavras. Conversar é ficar batendo sonho pra lá, sonho pra cá...
Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis. Ficam à espera do momento certo para a cortada.
Camus anotava no seu diário pequenos fragmentos para os livros que pretendia escrever.
Um deles, que se encontra nos Primeiros cadernos, é sobre este jogo de tênis:‘Cena: o marido, a mulher, a galeria. O primeiro tem valor e gosta de brilhar. A segunda guarda silêncio, mas, com pequenas frases secas, destrói todos os propósitos do caro esposo. Desta forma marca constantemente a sua superioridade. O outro domina-se, mas sofre uma humilhação e é assim que nasce o ódio. Exemplo: com um sorriso: ‘Não se faça mais estúpido do que é, meu amigo\'. A galeria torce e sorri pouco à vontade. Ele cora, aproxima-se dela, beija-lhe a mão suspirando: ‘Tens razão, minha querida\'. A situação está salva e o ódio vai aumentando.’
Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão... O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento.
Aqui, quem ganha sempre perde.Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração.
O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem - cresce o amor... Ninguém ganha para que os dois ganhem.
E se deseja então que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim...
(O retorno e terno, p. 51.)
Ruben Alves

terça-feira, 28 de setembro de 2010

UM DIA A GENTE APRENDE! ...




Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.

E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.

E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.

E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam ...

E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri- la de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida.

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo à longas distâncias.

E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.

E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendermos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.

Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.

Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.

Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se...

(Mario Quintana)

terça-feira, 17 de agosto de 2010

ALMA DE MULHER!

Uma Mulher que...
Traz na alma a força dos ventos...
O fascínio de um cavalo selvagem...
A sensibilidade de uma flor...
Que se abre no momento certo...
E exala seu perfume.
Galopa contra o vento...
Enfrenta tormentas...
Carrega consigo suas mágoas...
E as dissipa no ar.
Têm a alma leve e apaixonada...
Não abandona o que acredita...
Por nada!
Têm medo...
Têm asas presas.
Sua liberdade se divide...
Com àquele que acredita em sua vida...
Em seus sonhos...
Em seu amor...
E em sua alma!
menina dos olhos de DEUS.

by Georgia

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

DESEJOS E MEDO DE ME AMAR!




Pingos de ouro cai no seu lindo corpo
Sorriem as estrelas, o céu está em festa.
Sol e lua perderam-se aos beijos.
O fogo virou tesao e o gelo pura paixao
Não negues!
Vês o orvalho dourado?
Sente o prazer de seu sonhos comigo
São provas do ato consumado
Amar assim não é pecado!
Vem me de a mao e se entregue ao meu sonho.
Vês os anjos e seus flauteados?
A grande magia do amor esta lhe chamando
Ah, escuridão!
Tu és cúmplice
Estás a ocultar tão exposta verdade
Em teus olhos vejo desejo e vontade
De ser minha por inteira por completa
Acalma-te!
É o fulgor dos desejos
Perceba, teu manto de ouro sou eu
E nua agora, diga-me que vai se entregar?
Fico louco neste labirinto de seu amor
Vou desvendar todo sua geografia corporal
Vou seu o seu eterno anjo poeta...

Fernando Império
13.08.2010

domingo, 8 de agosto de 2010

Aonde Você está...

Quem pode dizer
Que talvez você esteja aqui
Te sinto a minha volta
Suas memórias tão presentes

No fundo do silêncio
Eu consigo te ouvir
Você ainda é a minha inspiração
Como pode?

Porque Você é meu
Amor eterno
Que me olha daí de cima

Leva-me para aonde você está
Além daquela estrela distante
Eu espero ainda hoje a noite
De vê-Lo sorrir
Nem que por um tempinho para eu saber que está aqui
Na distancia de um respiro
Aonde você está

Voce dorme gentilmente
Aqui dentro dos meus sonhos
A fé é acreditar
Todo poder que não pode ser visto

Como o meu coração te segura
Na distância de um batido
Eu aprecio tudo que
Você me deu todos os dias
Porque
Você é meu
Amor eterno
Que me olha daí de cima

E eu acredito
Que os anjos respiram
E que esse amor vive e nunca se acaba

Josh Groban sings "To Where You Are"

Meu Amado Jesus...
Pra sempre...

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

"O TEMPO"




"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê, já passaram-se 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.
Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho,
a casca dourada e inútil das horas.
Desta forma, eu digo:
'Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo, é
a única falta que terá,
será desse tempo que infelizmente não voltará mais.'

Mario Quintana

domingo, 25 de julho de 2010

FILHO



A MEU PERFEITO!

Guilherme, meu Filho...


Diante de um filho dormindo
Eu me olho do avesso.
Vejo minha vida como se estivesse fora dela,
Sinto a grandeza de Deus,
O entendo,
O aceito e
O escuto.
Num momento único de identidade
E lhe agradeço numa prece muda.
Vejo nele todas as chances de acertar,
Inclusive onde errei.
Quero com ele traçar caminhos
Com atalhos, sem desvios.
Quero tentar amenizar os tombos de hoje
E orar sério, pra que não caiam amanhã.
Diante dele, penso grande, alto e colorido.
Até mesmo desafio a violência e
Desacredito na morte.
Olho traço por traço gesto por gesto,
Tentando adivinhar alguém que amo e me achar também.
Eu me emudeço diante dessa explosão de vida
Que lentamente se faz como um por de sol,
Tendo a simplicidade de uma planta
E a força da água .
Sinto-me, com toda humildade, um semi-deus,
Por ter gerado, nas minhas entranhas e no pensamento,
Esse milagre do amor,
Essa mistura de sangue e alma.

Texto extraído do livro : PEGADAS DO INFINITO de Guiomar Paiva

quinta-feira, 22 de julho de 2010

O AMOR E SUAS FACES!

...então alguém disse assim:
Quando o amor vos chamar, segui-o,
Embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados;
E quando ele vos envolver com suas asas, cedei-lhe,
Embora a espada oculta na sua plumagem possa ferir-vos;
E quando ele vos falar, acreditai nele,
Embora sua voz possa despedaçar vossos sonhos
Como o vento devasta o jardim.
Pois, da mesma forma que o amor vos coroa,
Assim ele vos crucifica.
E da mesma forma que contribui para vosso crescimento,
Trabalha para vossa poda.
E da mesma forma que alcança vossa altura
E acaricia vossos ramos mais tenros que se embalam ao sol,
Assim também desce até vossas raízes
E as sacode no seu apego à terra.
Como feixes de trigo, ele vos aperta junto ao seu coração.
Ele vos debulha para expor a vossa nudez.
Ele vos peneira para libertar-vos das palhas.
Ele vos mói até a extrema brancura.
Ele vos amassa até que vos torneis maleáveis.
Então, ele vos leva ao fogo sagrado e vos transforma
No pão místico do banquete divino.
Todas essas coisas, o amor operará em vós
Para que conheçais os segredos de vossos corações
E, com esse conhecimento,
Vos convertais no pão místico do banquete divino.
Todavia, se no vosso temor,
Procurardes somente a paz do amor e o gozo do amor,
Então seria melhor para vós que cobrísseis vossa nudez
E abandonásseis a eira do amor,
Para entrar num mundo sem estações,
Onde rireis, mas não todos os vossos risos,
E chorareis, mas não todas as vossas lágrimas.
O amor nada dá senão de si próprio
E nada recebe senão de si próprio.
O amor não possui, nem se deixa possuir.
Pois o amor basta-se a si mesmo.
Quando um de vós ama, que não diga:
“Deus está no meu coração”,
Mas que diga antes:
"Eu estou no coração de Deus”.
E não imagineis que possais dirigir o curso do amor,
Pois o amor, se vos achar dignos,
Determinará ele próprio o vosso curso.
O amor não tem outro desejo Senão o de atingir a sua plenitude.
Se, contudo, amardes e precisardes ter desejos,
Sejam estes os vossos desejos:
De vos diluirdes no amor e serdes como um riacho
Que canta sua melodia para a noite;
De conhecerdes a dor de sentir ternura demasiada;
De ficardes feridos por vossa própria compreensão do amor
E de sangrardes de boa vontade e com alegria;
De acordardes na aurora com o coração alado
E agradecerdes por um novo dia de amor;
De descansardes ao meio-dia
E meditardes sobre o êxtase do amor;
De voltardes para casa à noite com gratidão;
E de adormecerdes com uma prece no coração para o bem-amado,
E nos lábios uma canção de bem-aventurança.
(Gibran Kalil Gibran).

segunda-feira, 12 de julho de 2010

SÓ TÚ...

amor platônico

DOS LÁBIOS QUE ME BEIJARAM...
DOS BRAÇOS QUE ME ABRAÇARAM...
JÁ NÃO ME LEMBRO, NEM SEI!
SÃO TANTOS OS QUE ME AMARAM...
SÃO TANTOS OS QUE EU AMEI!

MAS TÚ - QUE RUDE CONTRASTE...
TÚ, QUE JAMAIS ME BEIJASTES,
TÚ, QUE JAMAIS ABRACEI,
SÓ TÚ, EM MINHA'LMA FICASTE
DE TODOS, OS QUE EU AMEI!
(alma cabocla, 1920)

sábado, 3 de julho de 2010

Mulheres do Topo da Árvore!!

"As Melhores Mulheres pertencem aos homens mais atrevidos."Mulheres são como maçãs em árvores. As melhores estão no topo. Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles tem medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão, que não são boas como as do topo, mas são fáceis de se conseguir. Assim as maçãs no topo pensam que algo esta errado com elas, quando na verdade, ELES estão errados...Elas tem que esperar um pouco para o homem certo chegar... aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.
(Machado de Assis)
Tem uns que se acham capazes, valentes, alcançam o topo e descobrem que é preciso mais do que coragem para conseguir a mais perfeita.Descobrem que é preciso que ele continue acreditando que depois de colhida a maçã, seja homem suficiente para manter e proteger sua maçã e, principalmente, que não é porque a maçã estava no topo da árvore que ela é inalcansável e precisa ser colocada num pedestal.
Os que deixam de acreditar em sua coragem, abrem mão de sua maçã e passam a escolher aquelas que já caíram da árvore, que não eram as melhores, nem perfeitas.
A consequência disso, é que para a maçã perfeita - do topo da árvore - a retirada da árvore pelo homem que não conseguiu continuar acreditando em si mesmo não lhe tira o status de melhor. Porém, para o homem que passa a acreditar que se é capaz de ter para si aquelas que nunca teriam a possibilidade de estar no topo, já que se encontram no chão em volta da árvore, o caminho é muito grande, do tamanho talvez da coragem que precisa resgatar em si mesmo, para se acreditar capaz de voltar a conquistar o que está em um patamar acima; ou seja, voltar a buscar a mais do topo da árvore, que jamais aceitará qualquer coisa, ou deixará seu nível de exigência, uma vez que já teve ou sempre terá o melhor para si, não aceitando nada menos daquele capaz de proporcionar-lhe sua felicidade.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Desilusão do Quase


Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez,é a desilusão de um “quase”.


É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.


Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos,nas chances que se perdem por medo,nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.


Pergunto me, ás vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna;ou melhor, não me pergunto, contesto.


A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos,na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bom dia”, quase que sussurrados.


A paixão queima, o amor enlouquece, e o desejo trai.


Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas,os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.


O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz de si.


Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.


Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.


Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você.


Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando.


Porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu! (Luiz Fernando Veríssimo)

ÁPICE...

Depois...
Do amor aconchego-me em teus braços.
E me refaço do cansaço...
Das cavalgadas em teu corpo.

Doce e sublime este momento...
Beijos acariciantes...
Deslizam feito plumas...
Em nossos corpos acalorados.

O amor já satisfeito
Deixa em nós sabor
Jamais experimentado.

É madrugada a lua a meio céu...

Mas para nós o sol continua a brilhar.
Aquece o espaço vital de nosso abraço.

Eu e tu...
Refeitos pelo prazer...
Alucinado...inusitado...
Amor total

Seguiremos pela vida sem mais dor
Apenas amor...
Ternura...

E por dias sem fim celebraremos este amor
Com carinho e sem pudor...

Marissol Youseph

segunda-feira, 21 de junho de 2010

RECIPROCIDADE!

Mande-me o sol e a lua
O céu e o mar
As nuvens e as estrelas.
Mande-me o fogo e a água
A tempestade e a bonança
O início e o fim.
Mande-me o grito e o silêncio
O choro e o sorriso
O beijo e o abraço.
Dê-me um abraço de despedida e um beijo caliente.
Pegue em minhas mãos e toque meu coração.
Dê-me a paz que preciso para viver
E a vontade que necessito para lutar pela vida.
Torna-me uma pessoa alegre e tornar-te-ei o mais feliz
Suspire ao me ver e dar-te-ei prazer ao me tocar.
Mande-me flores e eu serei a tua rosa.
Mande-me contentamento e dar-te-ei satisfações.
Seja meu anjo e eu serei o teu eterno amor.
Natalia Araújo

domingo, 20 de junho de 2010

AMIGOS!

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.

E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!

Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.

Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.

Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os amo, embora não declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.

Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar.
Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.

Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...

Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os.

(Vinicius de Moraes)

sábado, 19 de junho de 2010

Eu Te Amo não diz Tudo!


O cara diz que te ama, então tá!
Ele te ama.
Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado.

Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas.
Mas ouvir que é amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de quilômetros.

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras, precisa de lealdade, sinceridade, fidelidade…
Sentir-se amado, é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade,que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que coloca-se a postos
para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você quando for preciso.
Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou há dois anos atrás,
é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica Triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d’água.

Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão…
Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.
Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.
Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.
Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta.
Agora, sente-se e escute:

Eu te amo não diz tudo!

(Arnaldo Jabor)

Blog's

"os sismógrafos não escolhem os terremotos,

reagem aos que vão ocorrendo,

e o blog é isso, um sismógrafo."

José Saramago

A VIAGEM

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam.
E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa.
Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”,
saiba que não era assim.
O fim de uma viagem é apenas o começo de outra.
É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava.
É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles.
É preciso recomeçar a viagem.
Sempre.

José Saramago

quarta-feira, 16 de junho de 2010

JUSTIFICAR A FALTA DE ATITUDE!


É isso mesmo!
Muitas pessoas ficam justificando com argumentos mornos sua falta de atitude.
Explicam o porquê que não fizeram.
Acham que os outros devem fazer por eles.
São vítimas das injustiças e que ninguém os apóia.
Encontrar facilidades de viver sem ter que enfrentar os obstáculos, é a sua força.

Estamos no mundo para termos atitudes.
Somos seres naturalmente culturais e se não tomarmos atitudes, nos perdemos na nossa missão de pessoas.

Temos que aprender sobre as nossas características para dar significado a nossa vida.
Somos a nossa própria razão de ser e se não agirmos como tal, só nos resta procurar justificativa a nossa falta de atitude.

Aprender é a nossa razão de ser pessoa.
Aquele que não tem esta compreensão faz de sua vida um funil, que vê suas esperanças sem possibilidades de encontrar saída.

Primeiro devemos aprender a pensar e depois pensar planos de solução às nossas dificuldades e sonhos.

Celso de Oliveira Souza
Prof. Reitor da UNIBAVE

terça-feira, 15 de junho de 2010

Quando Me Faltarem as Palavras...


Quando me faltarem as palavras, por favor olhe no fundo dos meus olhos. Meu olhar revela muito alem do que consigo expressar com os meus humildes vocábulos.

Quando me faltarem as palavras, perceba a minha respiração. Ela poderá dizer que sentimentos perturbam minha mente enquanto eu permaneço em silêncio.

Quando me faltarem as palavras, veja em meus lábios se estão tentando te dizer alguma coisa. Às vezes o coração está tão cheio que, mesmo não querendo, as frases começam a escapar.

Quando me faltarem as palavras, toque-me nas mãos e sinta a energia que estou transmitindo. Num simples aperto de mão podemos descobrir muito de uma pessoa.

E se ainda assim eu permanecer em silêncio, quando me faltarem as palavras me abrace forte e ouça com atenção que tem a dizer meu coração... este não para de falar um momento sequer, e dele nada consigo esconder, então estará sempre disposto a te dizer a verdade.

Mas se me faltarem as palavras, e eu não tiver mais o brilho no olhar, se parei de respirar, se minha boca não se expressa mais, meu tato está frígido e meu coração parou de pulsar...Espere comigo no silêncio, o momento exato de ressuscitar!!!

Deyvid Guedes

sábado, 12 de junho de 2010


EU QUERIA...

Eu queria sair por aquela porta e conhecer alguém;
Assim, sem precisar procurar no meio da multidão.
Alguém comum, sem destaques evidentes, ou dentes perfeitos.
Alguém que soubesse se aproximar
sem ser invasivo ou que não se esforçasse tanto para parecer interessante.
Alguém com quem eu pudesse conversar
sobre filosofia, literatura, música, política
ou simplesmente sobre o meu dia.
Alguém a quem eu não precisasse impressionar
com discursos inteligentes
ou com demonstrações de segurança e autoconfiança.
Alguém que me enxergasse sem idealizações...
Alguém que me encontrasse,
até quando eu tento,desesperadamente me esconder do mundo...
Eu queria sair por aquela porta
e conhecer alguém imperfeito.
Feito para mim.
Alguém com qualidades e defeitos suportáveis.
Que não fosse tão bonito e ainda assim,eu não conseguisse olhar em outra direção.
Alguém educado, mas sem frescuras;
Engraçado e, ao mesmo tempo, levasse a vida a sério,
mas não excessivamente.
Que não depositasse em mim,
a responsabilidade exclusiva de fazê-lo feliz,
para com isso tentar isentar-se de culpa quando fracassasse.
Alguém de quem eu não precisasse,
mas com quem eu quisesse estar sem motivo certo.
Que me dissesse que eu canto mal
e que eu falo demais e que risse das vezes em que eu fosse desastrada.
Alguém que me olhasse nos olhos quando fala,
sem me deixar intimidada...
Alguém com quem eu pudesse aprender
e ensinar sem vergonhas ou prepotências.
Alguém que me roubasse um beijo
no meio de uma briga e me tirasse a razão
sem que isso me ameaçasse;
E ainda assim, não perder o mistério
ou o encanto dos primeiros dias.
Alguém que segurasse minha mão
e tocasse meu coração.
Que não me prendesse,
não me limitasse, não me mudasse...
Alguém que me levasse ao cinema e,
depois de um filme sem graça, me roubasse boas gargalhadas.
Alguém de quem eu não quisesse fugir,
quando a intimidade derrubasse nossas máscaras...
By Mr. Rotta

sexta-feira, 4 de junho de 2010

A Voz Do Silêncio!


Pior do que a voz que cala,

é um silêncio que fala.

Simples, rápido!

E quanta força!


Imediatamente me veio à cabeça situações

em que o silêncio me disse verdades terríveis,

pois você sabe,

o silêncio não é dado a amenidades.

Um telefone mudo.

Um e-mail que não chega.

Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.

Silêncios que falam sobre desinteresse,esquecimento, recusas.

Quantas coisas são ditas na quietude,depois de uma discussão.

O perdão não vem,

nem um beijo,

nem uma gargalhada para acabar com o clima de tensão.

Só ele permanece imutável,o silêncio, a ante-sala do fim.

É mil vezes preferível uma voz que diga coisas

que a gente não quer ouvir,

pois ao menos as palavras que são ditas indicam uma tentativa de entendimento.

Cordas vocais em funcionamento

articulam argumentos,

expõem suas queixas,

jogam limpo.

Já o silêncio arquiteta planos

que não são compartilhados.

Quando nada é dito,

nada fica combinado.

Quantas vezes,

numa discussão histérica,

ouvimos um dos dois gritar:

"Diz alguma coisa, mas não fica aí parado me olhando!"

É o silêncio de um, mandando más notícias para o desespero do outro.

É claro que há muitas situações

em que o silêncio é bem-vindo.

Para um cara que trabalha com uma britadeira na rua,

o silêncio é um bálsamo.

Para a professora de uma creche,

o silêncio é um presente.

Para os seguranças de um show de rock,

o silêncio é um sonho.

Mesmo no amor,

quando a relação é sólida e madura,

o silêncio a dois não incomoda,

pois é o silêncio da paz.

O único silêncio que perturba,

é aquele que fala.

E fala alto.

É quando ninguém bate à nossa porta,

não há emails na caixa de entrada

não há recados na secretária eletrônica

e mesmo assim, você entende a mensagem.

Martha Medeiros

O Amor, Quando se Revela...



O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente


Cala: parece esquecer
Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!
Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Ser Transparente


Às vezes, fico me perguntando porque é tão difícil ser transparente? Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente... Ser transparente é desnudar a alma,é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar...
Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde! Mas infelizmente, quase sempre,a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana. Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser...
Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas à simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo! Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos, preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção... E assim, vamos nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos.
Não porque sejamos pessoas mentirosas, mas apenas porque nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor mais intenso e não-contaminado. Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro nos faz perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar, doçura, compaixão... a compreensão de que todos nós sofremos, nos sentimos
sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir, num silêncio que nos remete a uma saudade desesperada de nós mesmos... daquilo que pulsa e grita dentro de nós, mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos!
Porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar,agredir, acusar,criticar e julgar do que simplesmente dizer: "você está me machucando... pode parar, por favor?". Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro. Quando, na verdade, se agíssemos com o coração, poderíamos evitar tanta dor, tanta dor... Sugiro que deixemos explodir toda a nossa doçura! Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo,não desejar parecer tão invencível.
Que consigamos não tentar controlar tanto, responder tanto, competir tanto, que consigamos docemente viver, sentir, amar... E que você seja não só razão, mas também coração, não só um escudo, mas também sentimento.
Seja transparente, apesar de todo o risco que isso possa significar.

Rosana Braga

sexta-feira, 21 de maio de 2010

PERGUNTEI A UM SÁBIO...















Perguntei a um sábio,
a diferença que havia
entre amor e amizade,
ele me disse essa verdade...
O Amor é mais sensível,
A Amizade mais segura.
O Amor nos dá asas,

Amizade o chão.
No Amor há mais carinho,
na Amizade compreensão.
O Amor é plantado
e com carinho cultivado,
a Amizade vem faceira,
e com troca de alegria e tristeza,
torna-se uma grande e
querida companheira.
Mas quando o Amor é sincero
ele vem com um grande amigo,
e quando a Amizade é concreta,
ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo
ou uma grande paixão,
ambos sentimentos coexistem
dentro do seu coração.

William Shakespeare